de M a P

M

Moiré: Tecido tipo seda degramagem média, tipicamente em ponto reps, no qual se formam padrões subtis em acabamento moiré que se assemelham a marcas de água ou mármore. Utilizado para forros, fitas, vestidos de senhora, coberturas de mobiliário, forro de malas, etc.

Moletão: Tecido de lã de gramagem média, com toque macio e quente e uma superfície parcialmente feltrada, dando uma textura pouco nítida de batávia ou outro ponto de sarja. Feito com fios penteados e cardados, muitas vezes com padrões e riscas. O moletão leve é utilizado para fatos de homem, enquanto que as variedades mais pesadas se utilizam em casacos de homem e senhora. O nome vem da cidade Inglesa de Melton, na qual este tecido foi fabricado pela primeira vez.

Muselina: A musselina de lã é um tecido feito com fios singelos penteados muito finos e é utilizado para a confecção de vestidos de senhora. Este tecido é feito com uma teia de algodão e uma trama de lã, sendo conhecido por tecido milaine. O nome musselina é dado pela cidade de Mossul, na qual foi pela primeira vez fabricada a musselina de algodão.

O

Organdí: Do francês organdi, é a designação de um tecido originário de Urganje, região russa situada no antigo Turquistão, famosa na Idade Média por seu mercado de seda. Na língua portuguesa, passou a denominar uma espécie de musselina, um tecido transparente, mais consistente que a seda, mas igualmente leve, e com um preparo especial, um acabamento engomado que lhe confere uma certa consistência.

Otomano: Tecido tipo lã macio, de gramagem média, com riscas transversais; em ponto tafetá ou reps, feito com fios penteados ou cardados finos. Utilizado em vestidos e casacos de senhora. Feito também de algodão e seda, é usado para fins decorativos. O nome vem do Francês “ottomane” – um tecido Turco que era utilizado num assento reclinável baixo com o mesmo nome.

P

Pana: Tecido com um pelo fino, espesso e muito curto. É formado a partir do pelo do fio de teia de seda natural ou artificial, algodão ou lã, tendo como base um tecido com ponto de tafetá ou sarja. O tecido de base é normalmente de algodão, embora para tecidos mais caros possa ser de seda natural. Utilizado sobretudo em roupa de senhora do tipo formal ou de cerimónia.

Panamá: Derivado do ponto de tafetá no qual o ligamento tafetá é alargado até pelo menos o dobro do módulo inicial; este efeito é obtido tecendo conjuntamente dois ou três fios em ponto tafetá na teia e na trama. No caso de se tecerem conjuntamente dois ou três fios de teia e de trama, o debuxo é designado por panamá. Este debuxo é utilizado em tecidos de lã para casacos e sobretudos de homem. Em tecidos finos de algodão é empregue em tecidos para bordados.

Pano: Tecido de lã, sarja ou Batavia, muito enchendo, peça tingida, cochilava e cortado pelo feixe para combinar com o pêlo. A feltragem e sensibilização são tão intensas que não é possível distinguir os fios, dando a aparência de uma pele com pêlo curto, estreito e liso. Usado para vestidos, casacos, bilhar, mesas de jogo.

Pasamaneria: Tira estreita de tecido que é criada tecendo-se ou trançando-se fios. Comumente usada em fardas, a passamanaria entrou em moda na década de 30, quando Chanel empregou-a para adornar as bordas de costumes.

Percal: Do persa “percala” (tela ligera). Tecido de algodão fino e de contextura apertada, com toquemacio, em ponto tafetá. É liso ou estampado e utilizado no fabrico de lenços e de roupa interior de senhora e criança.

Pique: Do francês “pique” (picado). Ponto interlock que combina uma fileira de laçadas normais com duas fileiras de laçadas carregadas. Tem um aspecto característico de sarja de um dos lados; o outro é liso. Utilizado para roupa fina exterior e para roupa interior.

Plumeti: Tecido de algodão con desenhos simples bordados com uns fios chamados “lappet” que insertam-se no tear. Usa-se para vestidos de fantasia de senhora, trajes de comunhão, vestidos para crianças, etc.

Popeline: Tecido de algodão liso, macio, espesso, de gramagem média, feito em ponto tafetá; tem uma contextura mais apertada à teia do que à trama; por vezes utilizam-se na trama fios mais grossos para dar um efeito de riscas finas transversais. Utilizado para camisas de homem e blusas, vestidos e roupa interior feminina.

 

Ainda sem comebtários

Deixe uma resposta